Cuidar dos Pés – Libertação Miofascial

Será que tenho uma fascite plantar?

Sendo a base do corpo, os pés acumulam facilmente tensão, podendo ser fonte de alterações diversas, e ao mesmo tempo relacionar-se com outras disfunções no corpo, como por exemplo nos joelhos, nas ancas ou coluna.

Neste artigo pretendemos desvendar um pouco sobre as principais causas para a dor na fáscia plantar, o que é essa fáscia, quais os métodos de tratamento mais comuns e eficazes e como efetuar a libertação das tensões acumuladas nos pés, através da libertação miofascial.

A fascite plantar é a causa mais comum de dor plantar no calcanhar, com uma incidência de um milhão de visitas de pacientes por ano nos Estados Unidos da América. Outra condição que normalmente se encontra associada ao diagnóstico de fasciite, e que se avalia em radiografias aos pés, é o esporão do calcâneo. Como aparece de facto a fascite plantar, não é totalmente compreendido. Atualmente acredita-se que seja secundária à degeneração, micro roturas dentro da fáscia plantar, e não devido a um processo inflamatório. Por outro lado, acredita-se que o esporão do calcanhar seja o resultado de forças de tração na origem da fáscia plantar e não a causa da fascite plantar.

Desse lado poderá estar a questionar-se “o que é a fáscia e onde está?”. Ora bem, a fáscia é uma “componente de tecido mole (…), que envolve todos os órgãos, músculos, ossos e fibras nervosas” e funciona como sendo uma “rede de transmissão de força tensional em todo o corpo” (Fascia Research Congress). Temos tecido fascial (fáscia) ao longo de todo o corpo. No pé designa-se fáscia plantar. Ora, a fáscia plantar vai do calcâneo (osso do calcanhar) até aos dedos dos pés, sendo que a maioria da carga do nosso corpo é feita sobre a região mais interna da fáscia, ou seja, da parte de dentro do calcanhar para o primeiro dedo do pé.

A fascite plantar é uma causa muito comum de dor na base do calcanhar que pode ser desencadeada e agravada com o estar de pé de forma prolongada, com a caminhada, a corrida e também obesidade, entre outros fatores. Com as más posturas do dia a dia, o sedentarismo (que não será o seu caso, esperemos), o stress a que estamos sujeitos, ou até mesmo com a prática desportiva, é bastante natural que se desenvolvam tensões em alguns músculos, ou até mesmo alterações posturais mais ou menos difíceis de controlar. Mas vamos lá perceber quais os factores de risco para o aparecimento desta patologia.

Fatores de risco

A maior parte das lesões nesta região anatómica ocorre na origem da fáscia, ou seja, na zona do calcanhar. Como a fáscia plantar ajuda a segurar o arco medial do pé, qualquer carga acaba por alongar a fáscia plantar. A fáscia plantar também é tensionada através do alongamento do dedo grande (1º dedo do pé). De acordo com este estudo, qualquer fator que carregue mecanicamente a fáscia plantar pode ser considerado fator de risco para fascite plantar.

Fatores de risco podem ser dividido em fatores intrínsecos e extrínsecos.

Fatores intrínsecos, ou seja, relacionados com a própria pessoa que sente a dor incluem:

  • obesidade,
  • pés planos,
  • pés cavos,
  • redução da amplitude de dorsiflexão (dobrar o tornozelo) do tornozelo,
  • músculos da perna com tensão excessiva.


Fatores extrínsecos , ou seja, fatores relacionados ao meio ambiente e ao treino, incluem:

  • corrida em superfícies duras,
  • andar descalço,
  • aumento repentino na intensidade e / ou volume da corrida ou do treino.

Antes de mais, torna-se importante definir o que se entende por “Libertação miofascial”. Ora, este é o termo dado a uma forma específica de terapia, que se destina a ter um efeito sobre a fáscia. As técnicas de terapia miofascial podem ser aplicadas por um terapeuta, em consulta no gabinete, ou podem ser auto-aplicadas, como vamos descrever neste artigo.

Tratamento

O tratamento é em grande parte não operatório, com 90% -95% dos pacientes experimentando resolução dos sintomas dentro de 12–18 meses.

Modificação de atividade

O treino condicionado, ou a modificação da atividade é imperativa. Principalmente aquelas que envolvem impactos repetitivos, como correr e saltar, devem ser evitadas durante a fase de tratamento. Pode continuar a realizar atividades sem levantamento de peso, como sendo andar de bicicleta, nadar e remar (no caso de frequentar um ginásio) para manter sua aptidão cardiovascular. Um retorno gradual à atividade pode ser permitido depois de estar sem sintomas por 4-6 semanas e não já tiver sensibilidade localizada sobre a fáscia plantar.

Órteses / Palmilhas

O uso de órteses, incluindo calcanheiras (pequenas palmilhas só para o calcanhar) e palmilhas de suporte da fáscia plantar, são uma boa e eficaz opção inicialmente para aliviar a dor da fascite plantar. No caso de não existirem grandes alterações biomecânicas como pé plano ou cavo, as palmilhas pré-fabricadas (de compra numa loja tipo decathlon ou sport zone) não são inferiores, na sua eficácia, às feitas sob medida. No entanto, há que ter algum cuidado na compra: para reduzir a carga da fáscia plantar no suporte de peso, a palmilha deve ajudar a segurar o arco interior do pé sem colocar qualquer pressão direta na fáscia plantar. Para atletas, as palmilhas semi-rígidas são a solução mais prática e neste caso o ideal já é que sejam fabricadas por um podólogo ou outro profissional competente para o efeito.

Alongamento da fáscia plantar e massagem com gelo

Os alongamentos da fáscia plantar e da perna são baratos e fáceis de aprender com a ajuda do seu fisioterapeuta. O alongamento específico da fáscia plantar tem se mostrado mais eficaz do que o programa de alongamento de Aquiles isolado, e deve ser realizado e mantido por 30 segundos e repetido pelo menos três vezes em cada sessão.

Um pouco mais abaixo neste artigo exemplifica-se como efetuar a libertação miofascial no pé com uma bola de ténis.

Isso deve ser feito diariamente, especialmente antes de dar o primeiro passo pela manhã e antes de ficar de pé após um período prolongado de sentar. A massagem com gelo também pode ajudar a reduzir a dor da fáscia plantar. Uma forma de aplicar esta terapia de gelo envolve rolar uma lata congelada sob o pé com pressão moderada por cinco a dez minutos no final de cada dia, um pouco à semelhança do primeiro passo apresentado no vídeo abaixo, relativo à libertação miofascial.

Analgesia

O uso de anti-inflamatórios para tratar fascite plantar é uma prática generalizada que tem sido questionada visto que, de acordo com a literatura mais recente, a fascite plantar não é um processo inflamatório. No entanto, quando combinados com outras modalidades de tratamento, quer os anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) ou simples analgésicos, podem ajudar a fornecer alívio da dor em curto prazo.

Injeção de corticosteróide

Injeções localizadas de esteróides (as conhecidas infiltrações) na fáscia plantar fornecem alívio eficaz de curto prazo da dor da fáscia plantar por até três meses. Há, no entanto, que considerar que existe risco aumentado de atrofia da gordura plantar e ruptura da fáscia plantar com a aplicação destas injeções e, portanto, injeções repetidas devem ser evitadas, se possível.

Terapia por ondas de choque extracorpórea focal

Se tem dor na fáscia plantar que esteja a ser resistente ao tratamento pode ser encaminhados ou procurar uma clínica onde se realize ultrassonografia e terapia por ondas de choque como parte do serviço de fisioterapia desportiva. Este tratamento tem-se mostrado eficaz para casos de fascite plantar crónica que não respondeu bem ao tratamento conservador.

Este tipo de tratamento é um procedimento não invasivo, e que requer dois tratamentos com intervalo de uma semana para eficácia ideal, de acordo com alguns autores (deve seguir as recomendações do médico ou fisioterapeuta que esteja a acompanhar o seu caso).

Como posso aplicar a libertação miofascial?

A pensar nos nossos leitores mais críticos e céticos, queremos deixar aqui a salvaguarda de que existe alguma controvérsia acerca da eficácia desta forma de terapia / tratamento no que toca à literatura científica. No entanto, da nossa experiência, a sua aplicação tem maioritariamente efeitos benéficos, quando aplicada segundo um raciocínio clínico.

Para auto aplicar as técnicas de libertação miofascial, podem usar-se materiais diversos, no entanto os mais recomendados são bolas de lacrosse, bolas de ténis, ou rolo de libertação miofascial.

A aplicação das técnicas de auto libertação miofascial (ALM) permite, com poucos minutos de aplicação diária, melhorias na flexibilidade e eficiência dos movimentos através da inibição de músculos excessivamente ativos, redução da dor e recuperação muscular. A libertação miofascial atua através da pressão sobre os pontos gatilho, permitindo o relaxamento das estruturas mais tensas e contraturadas.

Como avaliação vamos realizar o seguinte teste:

Descalço/a, de pé, tentar tocar com as mãos no chão mantendo os joelhos esticados. Analise e fixe até onde chegou (exemplo: a meio da tíbia, vulgo osso da “canela”).

Técnica de Auto Libertação Miofascial:

  • Reserve 2 minutos para aplicar esta técnica em cada pé. Se pretender, aplique no pé direito e repita o teste inicial, e depois aplique no pé esquerdo voltando a testar.
  • Com a bola de ténis já no chão e os pés (descalços) pisar a bola com um dos pés, fazendo pressão para esmagar a bola e ao mesmo tempo realizar automassagem no sentido longitudinal, pensando em cinco linhas imaginárias que vão desde cada um dos dedos até ao calcanhar, percorrendo-as.
  • Ao encontrar pontos de maior tensão parar nesse/s ponto/s e realizar movimentos de flexão e extensão dos dedos do pé (levantar e baixar os dedos activamente), até sentir a tensão e/ou a dor a diminuir.
  • Este é um exercício para realizar devagar, como se quiséssemos que a bola se “enterre” no nosso pé.

Do que está à espera, agarre numa bola de ténis, veja o vídeo abaixo para melhor compreensão dos movimentos pedidos, e sinta nos seus pés o bem-estar que este exercício proporciona.

Espantado com os resultados? Acreditamos que sim.

Agora tem mais uma estratégia para cuidar bem dos seus pés, sabendo que são um dos pilares para uma boa postura, para um bom desempenho desportivo e consequentemente para o seu bem-estar.

Sara Costa